POLÍCIA
CASAL PRESO POR EXTORSÃO
Justiça mineira condena mulher por extorquir 600 mil de companheiro
27/07/2020 às 15:40:54
MINAS GERAIS - O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve a sentença que condenou à prisão uma mulher e seu comparsa por crimes de extorsão. Com a ajuda desse comparsa, a mulher ameaçava seu então companheiro e a família dele, exigindo dinheiro em troca.
A decisão da 5ª Câmara Cível do TJMG manteve as penas de quatro e dois anos de reclusão, respectivamente, além do pagamento de multa.
 
 
Extorsão - Durante os cinco anos que manteve um relacionamento com a mulher, a vítima conta que era constantemente ameaçada por ela, que dizia que o levaria na Justiça para o reconhecimento de união estável entre eles.
Ela também exigia uma quantia em dinheiro para não denunciá-lo por crimes que, segundo ele, não havia cometido.
O comparsa dela também tentou extorquir a nora da vítima, dizendo que a acusada teria oferecido R$ 3 mil para que seus sobrinhos a matassem e exigiu dinheiro para convencê-los do contrário.
Em primeira instância, a sentença da comarca de Ubá condenou a mulher por extorsão consumada e seu comparsa por extorsão tentada. As penas foram fixadas em quatro e dois anos de reclusão, respectivamente, além do pagamento de multa.
Recurso - A defesa dos acusados recorreu, alegando que não houve crime. Em seus argumentos, sustentou que, ao dizer que entraria na Justiça para reconhecer a união estável, ela não estaria ameaçando, mas fazendo um alerta sobre o exercício de um direito.
O relator, desembargador Alexandre Victor de Carvalho, destaca que, além da vantagem ilícita, na denúncia consta que ela também pretendia acusar o então companheiro de um crime que ele nunca cometeu.
Em seu depoimento, o filho da vítima confirmou que o pai era extorquido pela companheira por saber do envolvimento dela em "coisas erradas" , mas que mantinha sigilo. Por esse motivo, ela exigia dinheiro para não envolvê-lo como cúmplice. As ameaças duraram cinco anos e, segundo ele, ela teria extorquido aproximadamente R$ 600 mil de seu pai.
No que diz respeito ao suposto plano para matar a nora da vítima, o magistrado disse que não há necessidade de comprovação. "O que deve estar provado, como está, é a prática do constrangimento mediante grave ameaça", constata.
Diante disso, o relator manteve as condenações fixadas em primeira instância. Votaram de acordo com o relator os desembargadores Eduardo Machado e Pedro Coelho Vergara.
Fonte e foto: Ascom Tribunal de Justiça de Minas Gerais - TJMG




ÚLTIMAS NOTÍCIAS
TRÁFICO DE DROGAS
10/08/2020 às 15:59:39 PM de Santa Bárbara prende casal e apreende adolescente com drogas no bairro São Bernardo

MOTO RECUPERADA
10/08/2020 às 15:36:50 Moto furtada no Morro Santo Antônio é localizada ás margens da Barragem Santana em Itabira

TRÁFICO DE DROGAS
09/08/2020 às 15:08:04 PM apreende maconha e balança de precisão em casa denunciada por tráfico no Gabiroba

HOMICÍDIO EM NOVA ERA
08/08/2020 às 19:53:59 Homem de 52 anos é morto com golpe de faca durante briga com desafeto

HOMICÍDIO EM SANTA BÁRBARA
08/08/2020 às 18:17:12 Homem de 45 anos registra boletim de ameaça e é executado a tiros em Santa Bárbara

SUSPEITO PRESO
07/08/2020 às 23:08:08 PM prende suspeito de matar concunhado no bairro Fênix minutos após o crime

HOMICÍDIO EM ITABIRA
07/08/2020 às 21:08:28 Homem é executado a tiros no bairro Fênix pelo concunhado









© FATOS DE MINAS 2020. Todos os Direitos Reservados. WEBMAIL
CNPJ: 30.223.105/0001/70
E-mail: contato@fatosdeminas.com.br |
Contato